Chega ao fim a mostra “Cirandar é Resistir” na Alepe

Em 01/12/2023 - 12:12
-A A+

MÊS DA CONSCIÊNCIA NEGRA – A exposição ocupou as instalações da Alepe em novembro. Fotos: Paulo Pedrosa

Depois de um mês em cartaz, a Alepe encerrou as visitações à exposição Lia de Itamaracá: Cirandar é Resistir, nesta sexta-feira (1º). A mostra integrou a programação da 1ª Jornada Alepe Antirracista que, ao longo do mês de novembro, promoveu uma discussão aprofundada sobre o racismo, visando à construção de pautas afirmativas dentro e fora do espaço institucional da Assembleia Legislativa.

Como um dos pilares da promoção dessa pauta, o Poder Legislativo instalou a exposição no hall superior do Edifício Governador Miguel Arraes. Cirandar é Resistir foi dividida em três eixos temáticos: “território”, “raça” e “palco” e, a partir de documentos, figurinos, objetos pessoais, fotografias, mobiliários e diversos recursos audiovisuais, retratou de maneira singular a garra, o talento e a arte de Lia, uma mulher que ecoa no seu canto o mar, a musicalidade de sua terra e a luta de sua gente.

“O território, a cor e os sons de Lia foram os condutores dessa narrativa. Vários sentidos são despertados ao nos depararmos com a história e o legado dessa mulher. Então, nesse sentido, a exposição Lia de Itamaracá é um ato de amor, de política e de reparação. Precisamos contar a história dos nossos mestres e mestras, que por tantos séculos ficaram invisíveis e anônimos”, disse a jornalista Michelle de Assumpção, responsável pela curadoria da mostra.

SHOW – Lia de Itamaracá encerrou a abertura do evento com uma grande roda de ciranda em frente à sede da Alepe

Abertura

No primeiro dia da exposição na Alepe, Lia de Itamaracá comandou uma grande roda de ciranda em frente ao edifício Governador Miguel Arraes, localizado na Rua da União. “É muito bom receber essa homenagem em vida, pois nem sempre é fácil levar essa bandeira da cultura popular adiante. Ralei bastante até chegar aqui, mas foi uma luta que valeu a pena. Recebo com muita gratidão todo o carinho e a generosidade de vocês”, disse a cirandeira.

O superintendente-geral da Alepe, Isaltino Nascimento, destacou a importância de Lia para a cultura do Estado. “Ela é um ícone. Ao abrirmos esse espaço na Assembleia Legislativa, reafirmamos nosso reconhecimento à trajetória dessa artista, cuja vida e obra vêm seduzindo gerações e fortalecendo a identidade do povo pernambucano”, falou.

PÚBLICO – 600 pessoas visitaram a mostra na Alepe

Visitação

A exposição contou com 600 visitantes. Só de escolas públicas e creches, foram 300 estudantes. No dia 21 de novembro, 88 alunos da EREM Professor Benedito Cunha Melo, localizada em Barra de Jangada (Jaboatão dos Guararapes), visitaram a mostra. “Viemos na Alepe para efetivar a Lei 10.639/2003, que trata sobre o ensino da cultura História e Cultura Afro-Brasileira nas escolas, e não podíamos deixar de prestigiar essa homenagem à Lia de Itamaracá, ícone da música negra do Brasil”, disse o professor José Antonio Rufino.

Selo Antirracista

Durante a jornada, foi lançado o selo “Alepe Antirracista”, iniciativa que abrigará ações contra o racismo que a Casa pretende promover permanentemente.

Para o presidente da Alepe, deputado Álvaro Porto (PSDB), é importante garantir políticas capazes de promover transformações em comportamentos e crenças que alimentam ódio e preconceito. “A pauta da luta antirracista precisa estar no cotidiano da Assembleia. O selo é uma importante ferramenta para promoção do debate e a difusão da cultura de combate às práticas racistas tão presentes na estrutura da sociedade”, ressaltou Porto.

De acordo com o primeiro-secretário da Alepe, deputado Gustavo Gouveia, o debate em torno do antirracismo permite uma reflexão sobre esse crime intolerável. “Historicamente, o racismo tem matado e vulnerabilizado mais da metade da nossa população. Precisamos ter respeito a todas as formas de diversidade, sobretudo porque vivemos em um país tão plural. As diferenças são nossa maior riqueza, e o compromisso da Alepe é garantir que todas sejam respeitadas”, afirmou.