Fala Pernambuco encerra escuta a setores produtivos do Estado com a Região Metropolitana

Em 15/09/2021
-A A+

Representantes de nove setores produtivos da Região Metropolitana do Recife apresentaram as demandas necessárias para melhorar o desenvolvimento econômico dos segmentos. As apresentações foram feitas durante a última edição do Fala Pernambuco, iniciativa da Alepe em parceria com o Sebrae, realizada nesta quarta.

Em nome das prefeituras da região, o prefeito de São Lourenço da Mata, Vinícius Labanca, afirmou que o debate é fundamental para traçar estratégias de retomada econômica devido à pandemia. “Com novas normativas que venham a dar condições da gente realmente conseguir reativar economicamente a área metropolitana do Recife. Um desafio muito grande que todos estão passando, que a pandemia ela mexeu não só com a parte econômica do município, mas a gente também está tendo que tratar a parte social e mental dos nossos cidadãos.”

A desburocratização dos processos para a abertura e a manutenção de micro e pequenas empresas foi a grande reivindicação abordada no encontro. O tema esteve presente na maioria das apresentações, assim como a necessidade de incentivos fiscais e de simplificação das normas tributárias. Essas foram as principais questões apresentadas por Alex Duarte, do segmento das lideranças empresariais.

Além dessas demandas, Heraldo Ourem, representando a área de ciência e inovação, pediu a interiorização dos investimentos e a destinação de recursos por meio de emendas parlamentares. Em relação ao setor automotivo, Pedro Paulo Moraes acrescentou a necessidade de apoio do Poder Público no atual contexto econômico. “Nos foi dada a oportunidade de tocar o negócio durante a pandemia, fomos tidos como essenciais, mas agora nós ainda não temos os recursos necessários para quitar esses débitos.  Muitos vão ficar devedores, aí se complicam quando vão pegar seus empréstimos e até com possibilidade de ter seus registros cassados ou coisas do gênero.”

Já o ramo de alimentos e bebidas, apresentado por Rhaissa Soares, solicitou o aumento do limite máximo de faturamento para que empresas se enquadrem no Simples Nacional. Incentivos para a divulgação do setor e da gastronomia local também foram defendidos.

Na mesma linha, José Inácio de Andrade Júnior, representando o turismo, lembrou que o Litoral Norte foi duplamente prejudicado, pelo vazamento de óleo em 2019 e pela pandemia. Ele defendeu o incentivo da vacinação contra a Covid-19 para que as atividades turísticas voltem com segurança.  “Que a gente possa incentivar esses retardatários que não estão querendo ser vacinados, arrumar um plano que possa incentivar essa retomada da vacinação por completo e assim a gente poder proteger nosso povo e ter uma melhor volta do turismo.”

Na área da construção civil, Karla Guimarães pediu incentivos para a adoção de novas tecnologias e novos modelos de gestão que otimizem o trabalho. Em relação à saúde, Diego Lima solicitou a revisão das normativas para a abertura de academias de ginástica e a possibilidade de incluir profissionais como personal trainer e cirurgião dentista para atuar como MEI. Já para a economia criativa, André Luis Lira defendeu um programa especial de regularização tributária. No segmento de beleza, Cintia Almeida pediu uma legislação que organize o setor e melhorias na qualificação técnica dos profissionais.

O presidente da Alepe, deputado Eriberto Medeiros, do PP, se comprometeu com o encaminhamento das demandas apresentadas. “A minha satisfação pessoal de poder intermediar soluções para vários segmentos que querem gerar emprego e renda à população que tanto almeja e tanto necessita.”

As nove edições do Fala Pernambuco foram realizadas de forma virtual. Para consultar mais informações, acesse www.alepe.pe.gov.br.