Brasão da Alepe

Requerimento 757/2019

Texto Completo

Requeremos à Mesa, ouvido o Plenário e cumpridas as formalidades regimentais, que seja realizada uma Reunião Solene, no dia 11 de dezembro de 2019, em homenagem aos 60 anos da Revolução Cubana.

Justificativa

A Independência de Cuba era disputada entre os Estados Unidos e a Espanha que travaram uma guerra que terminou com derrota dos colonizadores em 1898. Entretanto os Estados Unidos impuseram uma emenda constitucional a Cuba que dava o direito de intervenção americana na ilha.

Assim, em 1903 a base naval de Guantánamo foi construída em favor dos norte americanos. Entretanto, em 1952, Fulgêncio Batista, ex-militar que já havia governado Cuba anteriormente, apoiado pelos Estados Unidos, aplicou um Golpe de Estado assumindo o Poder.

Fidel Castro, Camilo Cienfuegos, Raúl Castro e, mais tarde, Ernesto “Che” Guevara capitanearam um movimento revolucionário contra o Golpe de Fulgêncio Batista e contra a Emenda Platt, um tratado internacional a que Cuba se submetera, havido logo após a derrota do Estado espanhol na ilha caribenha. A emenda autorizava a intervenção dos EUA nos assuntos internos do país quando considerassem necessário.

O Movimento Revolucionário Cubano, até então, apenas um movimento nacionalista, visava derrubar Batista e revogar a Emenda Platt.

Fidel e os revolucionários se lançariam na luta armada em 26 de julho de 1953, atacando um quartel general de Moncada, que fracassou e levou Fidel a prisão pois anos e depois ao exílio no México. Mas foi ali, no exílio, que Fidel conheceu o revolucionário marxista-leninista argentino Ernesto Guevara o “Che Guevara”, que além de aderir à causa cubana, trouxe o arcabouço ideológico do socialismo.

Surgia o Movimento 26 de julho, que retornaria à Cuba pelo mar, sendo outra vez derrotados num poderoso contra-ataque do exército de Fulgêncio. Entretanto, Guevara e Fidel conseguiram sobreviver e se infiltrar na ilha e entre 1956 e 1959 reorganizaram o movimento e por meio da tática de guerrilha impuseram importantes derrotas ao governo e conquistando a simpatia da população.

Em 1º de Janeiro de 1959, Fulgêncio Batista, percebendo que não tinha mais apoio da população, da burguesia democrática, nem mesmo de parte de seus agentes e soldados que também começaram a discordar de sua indulgência e corrupção, fugiu, abrindo caminho para que em 08 de janeiro de 1959 Fidel entrasse em Havana, para se tornar primeiro-ministro, sendo Manuel Urrutia posto na presidência provisória do país.

O presidente estadunidense Jhon F. Kennedy, um aguerrido combatente do avanço do socialismo e do comunismo no mundo, se opôs aos revolucionários, buscou sabotar o governo revolucionário na ilha, organizando em 1961 a Invasão da Baía dos Porcos, com a participação de dissidentes cubanos recrutados pela CIA.

Dentro desse contexto, a Guerra Fria já polarizava o mundo, o Vietnã do Norte já demonstrava a resistência e o poder da oposição ao liberalismo dos Norte-Americanos, e a proximidade de um país ‘potencialmente comunista’ com a costa sul dos EUA figurava como uma ameaça aos interesses yankees.

Assim, EUA iniciaram uma campanha para sufocar a economia cubana, rompendo relações diplomáticas em 1961.

Por esta razão, Fidel e o movimento revolucionário que nada tinham de comunistas, ao contrário, sequer tinham a simpatia do Partido Comunista Cubano, precisaram estabelecer aliança com a União Soviética, já que, eram os mais importantes aliados do contra-imperialismo daquele país.

Assim, Cuba foi empurrada para o comunismo ampliando a tensão entre os países e numa tentativa de sufocar de vez o avanço do comunismo nas américas os EUA enviaram aeronaves para sobrevoar o território cubano, que já se organizava militarmente para resistir a possíveis ataques dos capitalistas.

Assim Nikita Kruschev e Fidel Castro haviam firmado aliança e mísseis nucleares com o mesmo poder destrutivo de Hiroshima e Nagasaki foram apontados para os EUA e vice e versa, gerando a possibilidade de uma guerra nuclear.

A Crise dos Mísseis se transformara num marco histórico da Guerra Fria, mas o pânico dos EUA de sofrerem um ataque fatal deu condições para que o Estado cubano se consolidasse mesmo com o Comunismo e a despeito dos interesses dos estadunidenses.

Esse evento ocorrido em 1962 fez com que os Estados Unidos se empenhassem em evitar o avanço do comunismo pela América, o que os fez financiar a apoiar diversos golpes militares, inclusive o brasileiro em 1964.

A memória dessa revolução e o que significou o enfrentamento ao poder do imperialismo americano é de suma importância para o estabelecimento de uma consciência democrática e da construção do respeito à soberania estatal dos países latino-americanos.

A representatividade do respeito à causa democrática se consolida na medida em que o avanço dos ideais de um país não se sobrepuseram, mesmo com barreiras econômicas, com a tentativa do uso da força ou de ameaças de natureza bélica. Cuba demonstrou com seu exemplo que um país pode resistir à pressões externas e se autodeterminar.

A Revolução Cubana pode ser encarada hoje como uma importante lição de resistência das causas sociais, das liberdades e do caminho para a oposição a regimes imperialistas e opressores como o dos Estados Unidos.

Portanto, marcar essa data é um passo importante para consolidar a oposição ao autoritarismo e ao avanço do extremo conservadorismo e suas ideologias, eminentemente, vinculadas ao imperialismo norte americano.

Por essa razão, em solidariedade às causas sociais e pela virtude democrática, convido os colegas a me acompanharem no apoio a esta Reunião Solene marcante e de grande relevância para os movimentos sociais pernambucanos.

Histórico

[26/06/2019 18:51:46] ENVIADO PARA COMUNICAÇÃO
[25/06/2019 09:53:28] PUBLICADA
[25/06/2019 09:53:27] PUBLICADA
[19/06/2019 17:03:00] ENVIADA PARA PUBLICAÇÃO
[19/06/2019 17:01:00] DESPACHADA
[19/06/2019 15:43:13] NUMERADA
[19/06/2019 09:35:46] ENVIADA P/ SGMD
[19/06/2019 09:35:38] ASSINADA





Informações Complementares

Status
Situação do Trâmite: PUBLICADO
Localização: SECRETARIA GERAL DA MESA DIRETORA (SEGMD)

Tramitação
1ª Publicação: 09/08/2019 D.P.L.: 10
1ª Inserção na O.D.:




Esta proposição não possui emendas, pareceres ou outros documentos relacionados.