Caso Marielle: Juntas repercutem depoimento citando presidente Bolsonaro

Em 30/10/2019 - 18:10
-A A+
INVESTIGAÇÃO - “As informações são gravíssimas. Queremos justiça para Marielle.” Foto: Nando Chiappetta

INVESTIGAÇÃO – “As informações são gravíssimas. Queremos justiça para Marielle.” Foto: Nando Chiappetta

A citação do presidente Jair Bolsonaro nas investigações sobre o assassinato da vereadora carioca Marielle Franco foi tema de pronunciamento das Juntas (PSOL), no Pequeno Expediente desta quarta (30). Reportagem televisiva revelou, na noite desta terça (29), que suspeitos teriam se encontrado no condomínio em que morava o presidente no dia do crime (14/03/2018), sendo a entrada de um deles autorizada por uma pessoa que estava na residência de Jair Bolsonaro.

Segundo o porteiro do condomínio, teria sido o próprio Bolsonaro, que na época era deputado federal, que teria dado a autorização. Contudo, registros da Câmara dos Deputados contradizem o depoimento, confirmando que o atual presidente participou de votações em Brasília na data. “As informações são gravíssimas. A bancada federal do PSOL já está pedindo esclarecimento, e as autoridades responsáveis pela investigação precisam se manifestar”, cobrou a deputada Jô Cavalcanti. “Queremos justiça para Marielle.”

Rodoviários – O mandato das Juntas também prestou solidariedade ao protesto dos rodoviários no Centro do Recife nesta manhã. A manifestação foi contra a extinção do posto dos cobradores em diversas linhas de ônibus. “O exercício da dupla função, como motorista e cobrador, colocar em perigo a população. E diante do quadro de grande desemprego que está assolando no Brasil, essa medida acaba com o trabalho de um grande número de pessoas” ressaltou Jô. O mandato dela propôs o Projeto de Lei nº 471/2019, que  visa proibir o acúmulo dessas atividades.