Antonio Fernando relata visitas a ministérios para defender Canal do Sertão

Em 11/06/2019 - 18:06
-A A+
ESPERANÇA - “O secretário executivo do Ministério da Agricultura se mostrou favorável a dar todo o apoio para a realização da obra”. Foto: Roberto Soares

ESPERANÇA – “O secretário executivo do Ministério da Agricultura se mostrou favorável a dar todo o apoio para a realização da obra”. Foto: Roberto Soares

O deputado Antonio Fernando (PSC) foi à tribuna, nesta terça (11), relatar as visitas que fez, na última semana, a técnicos e secretários dos ministérios da Agricultura e do Desenvolvimento Regional. Segundo o parlamentar, a viagem a Brasília teve o objetivo de defender recursos financeiros e apoio político para a execução do projeto do Canal do Sertão, obra com potencial de gerar emprego para os pernambucanos e que levará água do Rio São Francisco para os municípios do Sertão do Araripe.

“O secretário executivo do Ministério da Agricultura se mostrou favorável a dar todo o apoio para a realização da obra, que vai permitir a agricultura irrigada e a produção de alimentos independentemente da seca”, narrou. “No Ministério do Desenvolvimento Regional, conversamos sobre a necessidade de arregimentar força políticas de Pernambuco para garantir recursos nas leis orçamentárias federais”, acrescentou.

Antonio Fernando, que coordena uma frente parlamentar em defesa do empreendimento, informou que também esteve na sede da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e da Parnaíba (Codevasf), onde discutiu com técnicos da instituição o melhor traçado para o projeto. “Os profissionais nos disseram que havia preocupação com relação à energia necessária para o bombeamento da água. Nós informamos a eles, no entanto, que a região detém um dos maiores polos de geração de energia eólica do Brasil, e que bastariam dois aerogeradores para o canal”, esclareceu.

Por fim, o parlamentar abordou a reestruturação da Receita Federal e a possibilidade de fechamento de superintendências regionais. Hoje, no Nordeste, Fortaleza (CE), Salvador (BA) e Recife (PE) possuem superintendências, mas a tendência é de que o órgão mantenha apenas uma na região.