Programa Em Discussão: Delegado Erick Lessa indica segurança pública como prioridade

Em 07/05/2019 - 20:05
-A A+

O fortalecimento da segurança pública é uma das prioridades do mandato do Delegado Erick Lessa (PP), coordenador da Frente Parlamentar da Alepe sobre o tema. O deputado, que também preside a Comissão de Desenvolvimento Econômico e Turismo, fala ao Programa Em Discussão sobre como o Poder Legislativo pode atuar para melhorar essas duas áreas. Ele ainda comenta o atual momento político do Brasil e de Pernambuco.

“Sou originário da Polícia Civil. Sempre executei, comandei operações no Interior do Estado. No parlamento, temos que ter esse poder de diálogo, de respeitar a democracia e de ouvir as opiniões contrárias. Isso tem sido muito enriquecedor para mim”, avaliou o progressista.

Por meio do colegiado temporário que coordena, Lessa pretende levar o debate da segurança pública para o Interior. “Precisamos entender as demandas de quem está na ponta, e a Frente Parlamentar será essa interlocutora”, disse. “Solicitamos um assento no Pacto pela Vida e já estive despachando com o governador do Estado, levando demandas de todos os locais, mas, principalmente, buscando interiorizar esse debate que, muitas vezes, não tem eco nos comandos da Capital.”

Como parlamentar, ele diz que buscará “fazer pontes junto ao Poder Público de forma responsável, com debate aprofundado”. “Quando vou à tribuna ou nos apartes, falo em nome da população e do profissional de segurança pública, que se dedica, é abnegado e, muitas vezes, abre mão do convívio familiar”, comentou.

Sobre o Pacto pela Vida, avalia ser uma “política sólida, de Estado e não de Governo”. “Ela consegue integrar instituições que, muitas vezes, não dialogam no contato diário, como o Poder Judiciário, o Ministério Público, a Defensoria Pública, as secretarias de Estado e os órgãos operativos das polícias”, acredita. “Temos uma dificuldade significativa de recursos públicos para contratar pessoal e dar infraestrutura, como viaturas e armamentos, mas com criatividade, inovação e articulação, todos dirigindo-se para o mesmo sentido, pode haver uma melhora.”

Assista a entrevista na íntegra: