Plenário aprova Voto de Protesto contra o MAM-SP por exposição polêmica

Em 11/10/2017 - 14:10
-A A+
INICIATIVA - Requerimento de André Ferreira condenou entrada liberada para crianças, durante performance de nudez. Foto: Rinaldo Marques

INICIATIVA – Requerimento de André Ferreira condenou entrada liberada para crianças, durante performance de nudez. Foto: Rinaldo Marques

O Plenário da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) aprovou, nesta quarta (11), o Voto de Protesto proposto pelo deputado André Ferreira (PSC) contra o Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP), “pela permissão de uma performance de nudez com entrada liberada de crianças, infringindo o Estatuto da Criança e do Adolescente”. O Requerimento 3957/2017 recebeu os votos contrários de Isaltino Nascimento (PSB) e Teresa Leitão (PT).

O repúdio se refere à performance “La Bête”, realizada em 26 de setembro na abertura da Mostra Panorama da Arte Brasileira, quando o coreógrafo Wagner Schwartz se apresentou com o corpo nu, permitindo a manipulação pelo público. A polêmica foi provocada por fotos e vídeos que se espalharam nas redes sociais em que uma criança interage com o artista.

Ferreira, que discutiu o tema com outros parlamentares na Reunião Plenária do dia 2 deste mês, questiona a forma “irresponsável” como o Museu permitiu a exposição com a participação de crianças. Segundo ele, houve violação ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). “Tal feito foi considerado por alguns como ‘arte’, mas a postura do coreógrafo de estar nu, de mãos dadas com menores, com a permissão do museu, é ilegal”, afirma na justificativa do Voto de Protesto.

Na discussão do Requerimento, Isaltino Nascimento expressou sua divergência e pediu “que fique consignado o voto contrário”. Teresa Leitão também se posicionou contra: “É uma questão muito mais complexa do que o enunciado do Voto de Protesto propõe. Envolve, realmente, o direito das crianças, mas também censura. É preciso avaliar o contexto em que estas questões estão sendo colocadas”.

Priscila Krause (DEM) questionou se o Regimento Interno permitiria pedido de vista da proposição, tendo sido informada de que não poderia ser concedido. Entre outras matérias, o Plenário aprovou o Projeto de Lei Ordinária nº 1406/2017, do deputado Zé Maurício (PP), que sugere incluir, nos objetivos da Política Estadual da Pessoa com Deficiência, a necessidade de assegurar aos estudantes portadores de deficiência visual o acesso a livros adaptados à sua especificidade.