Comissão da Mulher cria grupo de trabalho para combate à exploração sexual de crianças

Em 15/06/2017 - 18:06
-A A+

ENFRENTAMENTO – “Vamos propor ações de enfrentamento”, resumiu a presidente da Comissão da Mulher, Simone Santana. Foto: Kerol Correia

As ações de educação e enfrentamento à exploração sexual de crianças e adolescentes devem ganhar reforço no Estado. Em reunião da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, nesta quinta (15), instituições públicas formaram um grupo de trabalho para unir esforços no combate ao problema. Liderados pelo Ministério Público de Pernambuco, os órgãos irão promover uma série de audiências públicas nos municípios do Estado, em ações de conscientização e de articulação da rede de proteção.

Também integram a iniciativa o Ministério Público do Trabalho, a Polícia Rodoviária Federal, a Polícia Militar, a Polícia Civil, o Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente e as secretarias estaduais de Saúde e de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude. Ainda serão convidados a compor o grupo o Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, a Associação Municipalista de Pernambuco e as secretarias estaduais de Educação e da Mulher.

“Todos os órgãos atuam sobre o mesmo problema. Precisamos convergir e garantir que a rede assistencial esteja estruturada para proteger as crianças e adolescentes”, explicou o promotor de Justiça Guilherme Lapenda. “O esforço de sensibilização é importante porque o desconhecimento sobre o tema ainda é muito grande”, apontou a representante da Secretaria de Saúde, Madalena Oliveira.

“Vamos às cidades conhecer as vulnerabilidades, escutar os municípios e a população para propormos ações de enfrentamento”, resumiu a presidente da Comissão da Mulher, Simone Santana (PSB). Membro do colegiado, a deputada Priscila Krause (DEM) também participou da reunião.

Números – O Brasil registra, em média, cerca de 6,7 mil denúncias de exploração sexual de menores por ano, segundo dados compilados pela organização Childhood Brasil e apurados pelo Disque 100, serviço que recebe denúncias de violações aos direitos humanos. Em Pernambuco, a Secretaria de Defesa Social contabilizou, em 2016, mais de 1,4 mil casos de violência sexual contra crianças e adolescentes.